BUSQUE POR PALAVRAS

INSTAGRAM

@spicy_lojas

Festivais Gastronômicos no mundo – Parte 1

3/12/2014
Festivais Gastronômicos

Os apreciadores da boa culinária quando viajam para o exterior não perdem a chance de jantar nos mais sofisticados restaurantes e provar especialidades da cozinha local. Mas você já parou pra pensar em viajar por causa da comida? Ou pelo menos planejou seu passeio em função do prato que você vai degustar mais tarde? Existem festivais gastronômicos no mundo todo e alguns realmente são dignos de ser motivo para visitar a cidade sede.

Em mais uma série de posts compostos da Revista Digital, a Spïcy traz a você informações dos principais festivais gastronômicos do mundo, com informações de todos os continentes. Confira abaixo a primeira parte do especial, onde os principais festivais não-europeus são abordados, e fique de olho nas atualizações semanais do blog pra você não perder as próximas.

Festivais bem longe da Europa

É possível atravessar mais de um oceano, estar no fuso-horário oposto ao brasileiro e participar de grandes festivais de boa comida? Ô, se é. E é em Singapura que acontecem dois eventos bem conhecidos que convocam os maiores chefs do planeta.

O festival Savour é bem selecionado, voltado para profissionais do ramo. Reúne geralmente 16 chefs que além de criar para os restaurantes mais famosos do mundo, geralmente são contemplados com as disputadas estrelas Michelin. É como se fosse uma conferência para enriquecer a bagagem cultural de quem participa, e por isso é o principal festival asiático do ramo. Costuma acontecer entre o mês de março e abril.

Seu principal concorrente é, também em Singapura, também em abril, o The World Gourmet Summit. Um evento de grandes proporções feito para paladares apurados, onde você vai se deparar com celebridades da gastronomia não apenas oferecendo suas especialidades, como também ministrando workshops feitos para quem já é entendido de alta culinária.

Por falar em concorrência, as duas principais cidades australianas possuem festivais que disputam (pelo bem dos apreciadores da boa comida) o título de principal evento gastronômico da Oceania. O Melbourne Food and Wine Festival é mais tradicional: são 20 dias de festival no mês de março, e isso já acontece há 20 anos. Durante o evento, a capital cultural da Austrália recebe grandes chefs, oferece workshops, degustações, demonstrações, jantares de gala e até mesmo tours especiais.

Em resposta a esse grande acontecimento, a capital de fato Sidney já há alguns anos organiza o The Crave Sydney International Food Festival, que acontece próximo ao iconográfico porto da cidade. Quem participa do festival também vê (muitas vezes ao ar livre) chefs renomados durante o preparo de seus mais famosos pratos, também podendo experimentá-los. Mas, ao contrário do caso asiático, o festival não acontece na mesma época que seu concorrente. Para participar do The Crave é preciso visitar a capital australiana em outubro, em qualquer semana.

Correndo por fora — mas correndo muito bem — vem o Hokitika Wild Food Festival, na Nova Zelândia. Qual cidade? Todas. O Hokitika é o local para experimentar o inusitado. Por exemplo, as famosas mountain oysters (testículos de ovelha). O festival é conhecido justamente por oferecer o que há de mais exótico, mas pratos “cotidianos” também estão à disposição de quem prefere arriscar só um tiquinho. Há um clima de alegria no ar e muitos turistas vão pra lá só por causa disso. Mas é preciso chegar no dia certo: costuma ser em março, dia 9.

No continente africano, o nome que vem à boca do paladar gourmet é The Good Food and Wine Show, na África do Sul. Ele acontece durante três meses separados e em cidades distintas: Cidade do Cabo (maio), Durban (julho) e Joanesburgo (novembro). A mostra culinária conta sempre com chefs internacionais e também funciona como nos citados acima: o público pode assistir o preparo e experimentar em seguida. Para completar a atração, paralelamente acontecem competições pelo melhor gelato e também pelo melhor café, num evento grandioso em que baristas disputam o National Barista Championship.

Estados Unidos da Culinária

A cidade de Nova York, que já foi tema da Revista Digital duas vezes, apesar de ser a capital gastronômica do mundo curiosamente não possui festivais tão grandiosos quanto o The Taste (Los Angeles) e La Coccina’ Street Food Festival (San Francisco).

The Taste é um festival promovido pelo Los Angeles Times e funciona assim: você paga a taxa única (em torno de US$70) e consome à vontade. São três dias consecutivos, geralmente no começo de setembro, e muitos restaurantes locais, vinículas, cervejarias, destilarias, panificadoras etc. participam do evento oferecendo o que possuem de melhor. Um detalhe importante: tudo isso acontece nos estúdios Paramount, em LA.

Só que o festival #1 dos Estados Unidos é o La Coccina’ San Francisco Street Food Festival. É um festival necessariamente gourmet? Não. Mas muita coisa boa se encontra lá, apesar do natural (porém sempre alegre) tumulto. Afinal, o evento reúne num só dia diversos restaurantes, produtores, artistas e tudo o que a cidade tem de direito. O intuito principal é dar visibilidade a novos empreendedores locais no ramo gastronômico. É tudo no estilo street food, que tem ficado cada vez mais famoso em grandes capitais, como em São Paulo. O detalhe: entrar no festival é grátis, pois o evento não tem fins lucrativos — o que explica o fato de que em média 50 mil pessoas visitam o festival. A data específica costuma ser em agosto, melhor época para atividades ao ar livre.

Sentiu falta de algum festival nesse porte? Existem muitos outros pelo mundo, e alguns são tão inusitados e específicos que juntamos todos num post feito só sobre eles: La Tomatina, Galway Garlic Festival, Maine Lobster Festival etc. Além, é claro, dos festivais europeus tradicionais. Não perca o que vem por aí na Revista Digital da Spïcy.

Fontes

http://culinaria.terra.com.br/

http://www.theguardian.com/

http://www.organicauthority.com/

http://www.guiadaviagem.com.br/

TOPO