BUSQUE POR PALAVRAS

INSTAGRAM

@spicy_lojas

Marrocos: a exuberância árabe à beira do Saara

8/09/2015
Marrocos I

O Marrocos é um país africano, de etnia e língua árabe e que segue o Islã mais flexível (mas nem tanto quanto na Turquia de Istanbul). Mas não se engane com a ficção: a novela O Clone e o clássico dos cinemas Casablanca, de 1942, são mera ficção; o filme sequer foi rodado em Casablanca. O país é muito mais contrastante que o que se viu nas telonas e telinhas, e é um dos países do mundo árabe cujo turismo vale bem a pena. Portanto, embarque nesse artigo da Revista Digital e conheça mais sobre as exuberâncias do Marrocos.

Contrastes para todos os lados

Marrocos fica no extremo noroeste africano, na curva entre o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo. Pelo Estreito de Gibraltar partem barcas todos os dias indo e vindo da Espanha, num trecho que leva 60 ou 90 minutos de travessia.

Apesar de estar na costa, metade de seu território é parte do deserto do Saara, ao sul. Portanto, seu clima é árido e empoeirado, o que quer dizer que as melhores épocas para viajar por lá são as meias estações, pois no inverno vai chover e esfriar, estragando parte interessante da viagem, e no verão o calor será implacável.

Apesar disso, neva em Marrocos! Isso porque existem montanhas na geografia do país. A cordilheira do Atlas, de 2.000m de altura, e suas estradas estreitas, são um bom passeio para quem tem sangue aventureiro (você confere mais detalhes na parte II do especial).

Mas a geografia não é o único grande contraste que vai atrair sua atenção. A própria língua é outro: além de falar-se árabe, muitos falam o francês. O inglês geralmente é reservado para quem trabalha diretamente com turismo, como hotéis, restaurantes e guias.

É um país que esbanja riqueza em certos pontos e pobreza e muitos deles, em especial nos vilarejos afastados e nos becos da medina. No entanto, é um país potencialmente rico, com grandes reservas minerais e investimentos de famílias milionárias. A final do Mundial de Clubes da FIFA de 2013 aconteceu em Marrakesh, por exemplo, o que mostra o investimento que se faz por lá. Como o turismo tem crescido, pode-se dizer que Marrocos é seguro, um dos melhores nesse sentido entre os países árabes.

Questões culturais e cuidados na viagem

Outro exemplo de contraste é a honestidade do povo, em especial nos estabelecimentos. Não é raro encontrar hotéis, mesmo entre os baratos, que trocam dinheiro por taxas cambiais justas; além de funcionários que realmente se preocupam com seu bem-estar e que farão de tudo para deixar uma boa impressão — mesmo que para isso um atendente corra desesperadamente pela rua gritando em árabe atrás do seu táxi para avisar que você esqueceu seu óculo de sol na recepção.

E por que isso é contrastante? Porque apesar da honestidade dos estabelecimentos, cuidado: onde há turista, há malandro. Falsos guias vão te abordar constantemente, principalmente se você der “sinais de perdido” (e eles farejam bem esses sinais). Eles não vão te levar para becos para te assaltar (um crime punido severamente no islamismo), mas vão te levar a locais errados e tentar extrair uma boa gorjeta sua. Uma perda de tempo que pode ser estressante e cara. O que fazer para espantá-los? Basta na abordagem dizer com firmeza “la shukram”, que significa “não, obrigado”. Eles vão fazer cara feia, mas vão respeitar.

Na hora de pegar o táxi, exija que o motorista ligue o taxímetro, ou combine antes da viagem o preço que será cobrado. Assim você evita extorquimento. Mas não estranhe se, no trajeto, o taxista parar e pegar outra pessoa. Isso é bem comum, mas só acontece se o cliente extra estiver indo para o mesmo destino que o seu. Aliás, é bom que você saiba que o trânsito é caótico, com carros dividindo cruzamentos não sinalizados com pedestres, motos, carroças, bicicletas, charretes, caminhões, galinhas… Só Alá sabe como aquilo funciona.

Quanto ao choque cultural, um recado importante, em especial às mulheres. Os locais ainda estranham pessoas com a pele e corpo muito expostos, mesmo no calor. Seus assovios e secadas vão fazer os brutucus brasileiros parecerem Don Juans, mas pelo menos não chegam, pelos códigos religiosos, à indecência física e verbal que é mais comum no Brasil. Apesar das maiores cidades estarem acostumadas com o turismo, se você prefere evitar constrangimento será melhor andar acompanhada. Isso também vale para o homem, pois turista solitário é o maior atrativo para golpes e abordagens, como a dos falsos guias.

Atrativos comuns das cidades marroquinas

Medina nada mais é que a “cidade antiga”, presente nas principais cidades do país. Trata-se do centro comercial e residencial da cidade. Toda medina tem uma mesquita central, um palácio real, um mullah (bairro judeu), suqis (mercados onde a barganha impera) e medersas (escolas onde se ensina o Alcorão).

As medinas são urbanizadas como labirintos, com ruas tortuosas e bem estreitas. Apesar de serem um tormento para claustrofóbicos, andar pela medina é um dos grandes atrativos das cidades marroquinas, pois é nesse passeio que você terá os maiores e mais interessantes choques culturais. Se você tem bom senso de direção, pode arriscar andar sem guia (mas leve um cartão do hotel no bolso, em todo caso). No entanto, pelo menos no primeiro dia é aconselhável ter um ao lado.

As cidades consideradas estratégicas, próximas do Atlântico ou do Mediterrâneo, eram fortificadas e cercadas por muralhas de pedra para proteger contra invasores. Estas muralhas se chamam kasbahs, um legado dos povos berberes. Aquelas cidades foram também pintadas com cores distintas, para que navios pudessem de longe identificá-las. Casablanca é toda branca e Rabat é branca e azul. Marrakesh é a cidade vermelha, Fez é amarela e Meknes é verde.

Fez é a capital intelectual de Marrocos e uma cidade considerada patrimônio histórico pela UNESCO. Motivo: sua medina é a mais complexa. Um labirinto difícil de ser superado sem um guia. A cidade nova possui um palácio, mas o destaque fora da medina é visitar os tanques de tingimento, uma técnica preservada por seu valor cultural.

Casablanca não tem nada a ver com o cenário do filme de 1942. Ao contrário: Casablanca é uma cidade portuária e industrial, portanto mais moderna e dinâmica. Seu atrativo turístico é histórico: até 1755 era uma cidade bérber, e que foi destruída por um terremoto. Chama-se Casablanca (nome obviamente dado pelos espanhóis) porque, após a tragédia, a primeira casa construída era toda branca, o que serviu de inspiração simbólica para todas as outras que seguiram.

Meknes tem dois bons motivos para visita. A arquitetura de sua kasbah mostra a personalidade megalomaníaca de um antigo sultão, Moulay Ismail, que reinou por 55 anos e é considerado o eterno sultão da cidade devido às suas construções. Para ter uma ideia, a torre do kasbah é um esplendor, e ainda existe um aqueduto construído especialmente para regar os jardins palacianos e para banhar cada uma das suas 500 esposas. Por falar em aqueduto, o outro motivo é que Meknes fica próximo das ruínas de Volubilis, um dos últimos locais de testemunha arquitetônica da presença do Império Romano no norte da África.

Outros pontos interessantes no país:

  • Rabat, a capital, não costuma atrair o turismo, no entanto possui uma medina mais amigável, além de hotéis e restaurantes com gastronomia mais refinada.
  • Tânger é conhecido na literatura pela obra O céu que nos protege. Fica perto do estreito de Gibraltar, portanto muitos turistas europeus serão encontrados por lá. Além disso, a cidade leva a fama de ser aventureira, com mais estilo e menos dinheiro, e por isso atraiu muitos artistas décadas atrás.
  • Essaouira é a cidade litorânea onde muitos europeus vão passar o verão. Por fim, Merzouga é um dos poucos locais com resquícios dos povos nômades de tuaraque.

Marrakesh e sua grande feira de barganhas vai ficar para o próximo especial sobre o Marrocos. A Revista Digital também vai trazer as principais questões da cozinha marroquina e também um passeio imperdível para quem quer se aventurar nos desertos do Saara, com direito a passeio de dromedário e cenários literalmente de cinema. Até lá.

Fontes:

https://viajologoexisto.wordpress.com/

http://www.revistaturismo.com.br/

TOPO